Eliminar Colonia de Cupins em São Paulo

Eliminar Colonia de Cupins em São Paulo

Eliminar Colonia de Cupins em São Paulo: A Descupinização é o processo utilizado para matar, eliminação e controle de cupins subterrâneos, cupins de solo e cupins de madeira seca.A dedetizadora de cupins conta com atende imediato em São Paulo e todos os bairro de São Paulo. Serviços oferecidos da Dedetização de cupim em São Paulo e Grande SP, Dedetizadora de ratos, Dedetização de baratas, Dedetização de pulgas, Dedetização de mosquito da dengue, Desratização, Controle de pragas, Serviço de controle de cupins, Serviços de imunização de pragas, Dedetização de formigas, Dedetizadora de São Paulo, Descupinização. A Desinsetização de insetos, pulgas, escorpiões, carrapatos e cupins. Aplicação inseticida, raticida, formicida que controla as pragas, não extermínio de pragas em São Paulo 24 horas.

Eliminar Colonia de Cupins em São PauloOferecemos o melhor custo beneficio do mercado. Por que contratar (tratamento contra cupins) Descupinizadora em São Paulo e grande São Paulo. A Universo é uma empresa de Descupinização certificada pela SIVISA (Vigilância Sanitária), temos o Certificado, Garantia, Laudo Técnico, Ficha dos Produtos no qual utilizamos, Químico Responsável, equipe técnica treinada e frota própria. A Universo é uma empresa de Descupinização, conhece como controlar os cupins.

Para definir a melhor estratégia de controle é necessário conhecer a biologia e o comportamento da praga que se quer controlar. Esta seção do “Centro de Informações da Universo sobre Cupins” apresenta as principais informações sobre os cupins e seus dois principais grupos: os cupins subterrâneos e os cupins de madeira seca. O grupo dos cupins subterrâneos é o responsável pelos prejuízos econômicos de maior monta e seu controle implica em perfurações no piso da estrutura e em alguns casos, quebra de paredes para abertura de caixões perdidos(vãos perdidos).

Eliminar Colonia de Cupins em São Paulo com melhor preço

Ninfas: Após a eclosão dos ovos, são alimentadas com substância regurgitada pelos operários. Passam por uma série de estágios de crescimento.
Ovos: Milhares deles podem ser produzidos pela rainha a cada ano. São cuidados pelos operários.

Colonização: O casal recém-formado encontra um local apropriado para formar sua própria colônia como rei e rainha. O ciclo de vida dos cupins se repete quando a rainha começa a postura dos ovos que se tornam ninfas, soldados, operários ou reprodutores.

Rei e Rainha: Os mais importantes membros da colônia. As suas únicas funções são acasalamento e a postura dos ovos. Outros cupins alimentam e cuidam da rainha, que pode viver de 25 a 50 anos..

Casais: Após os curtos vôos, os siriris perdem suas asas e formam casais.

Siriris: Ocorre quando os reprodutores alado deixam a colônia. Operários os ajudam a percorrer o túnel até a saída. Não conseguem voar grandes distâncias e caem rapidamente no solo.

Reprodutores Alados: São siriris com órgãos sexuais desenvolvidos, asas e olhos funcionais. Em certas condições ambientais esses cupins promovem a revoada, formando novas colônias e aumentando a infestação.
Operários: Estéreis e cegos buscam material celulósico para alimentar toda a colônia. São responsáveis por todo o trabalho na colônia.

Soldados: Em seu estágio final os soldados apresentam uma cabeça grande com fortes mandíbulas. São geneticamente programados para proteger a colônia contra ataques de inimigos, como as formigas.
Reprodutores de substituição: Substituirão a rainha em caso de morte ou subdivisão da colônia.

Revoada de cupins: 

A revoada é conhecida pelo público em geral, principalmente na primavera e no verão (no início da estação das chuvas) quando há verdadeiras nuvens de cupins (siriris ou aleluias) voando em torno de pontos luminosos, e embora ainda seja inverno, este fenômeno é essencialmente sazonal, relacionado com as variações climáticas da região, principalmente calor e umidade relativa do ar. Outros fatores ambientais também podem influenciar, tais como, a época (ou a hora) da revoada, como luz, vento, pressão atmosférica, condições elétricas da atmosfera, entre outros. É difícil saber a real influência destes últimos fatores, por serem facilmente mascarados pelos mais óbvios.

Há espécies que voam à tardinha, outras à noite. Geralmente, colônias da mesma espécie em um mesmo lugar revoam no mesmo dia e hora. Pode ocorrer êxodo de alados durante vários dias seguidos. É durante a revoada que os pares se formam ou no vôo ou no solo. Já no solo, ocorre a perda das asas e o par inicia um comportamento chamado de “tandem”, quando um segue o outro o tocando no final do abdome, com antenas e palpos. O casal começa então a procurar um local favorável (que depende da espécie em questão), para iniciar um novo ninho – a fundação propriamente dita.

Aí estabelecidos, ocorre à primeira cópula. O casal deverá ficar junto até o final da vida, mas pode ocorrer substituição, em caso de morte de um deles. Uma infestação de cupins pode ter origem da revoada. A sobrevivência deles e o sucesso na formação de um novo ninho irão depender da disponibilidade do abrigo. Os alados de cupins de madeira seca irão procurar por madeira para se abrigarem e formar a colônia.

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA – 

A maioria das espécies de cupins vive nas regiões tropicais e subtropicais, com algumas poucas se estendendo até latitudes mais elevadas, raramente além de 40o norte ou sul. Mais espécies de cupins podem ser encontradas num único hectare de floresta ou savana tropical do que em toda a América do norte e Europa juntos. Cupins podem chegar facilmente ao nono andar de um prédio.

COMO SE PROTEGER DOS CUPINS – 

Para identificar a existência de focos de cupim é necessário vistoriar os locais escuros e/ou úmidos. Tais como partes superiores de armários, porões, sótãos, onde se guardam produtos não freqüentemente manuseados, fazendo-se uma vistoria a cada três meses. Isso para que se possam tomar medidas preventivas ou de combates, amenizando os prejuízos ou a perda total de peças infestadas, quando se verifica a presença de pó granulado ou túneis que se estendem de um ponto para outro que estejam saindo de rodapés, portas, portais, bocais de luz, interruptores, lajes, rebaixamento de gesso, jardineiras, janelas e etc

Danos – 

Estimativas feitas com o Coptotermes havilandi, nos Estados Unidos, indicam que uma colônia desta espécie, contendo cerca de 3 milhões de indivíduos, pode consumir madeira a uma taxa de 360 gramas por dia. Uma colônia madura de cupins subterrâneos desta espécie pode causar severos danos a uma estrutura em apenas três meses. Desta maneira é imprescindível que seja identificado o quanto antes uma infestação por cupim subterrâneo. O montante dos danos pode ser grande não apenas pelo tamanho da colônia que está atacando uma estrutura, mas também porque nada impede que duas ou mais colônias estejam infestando a mesma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *